sexta-feira, 1 de maio de 2009

realidade

A mente tem tanto poder assim quanto falam os escritores de livros de auto-ajuda?
Podemos criar a nossa própria realidade segundo a nossa vontade?
Ou o real, o que está posto é preponderante?
Alguém aí?

Um comentário:

rafael fittipaldi disse...

[A mente tem tanto poder assim quanto falam os escritores de livros de auto-ajuda?]
Não. Eles falam isso para que os leitores sintam-se envaidecidos, o que melhora um pouco a auto-estima e ajuda a vender um livro ruim.

[Podemos criar a nossa própria realidade segundo a nossa vontade?]
Sim. A isso dá-se o nome de Ilusão, com um "I" maiúsculo bem grande.

[Ou o real, o que está posto é preponderante?]
A realidade ela mesma é repleta de buracos. Nós completamos as informações intuídas pela sensação com nossos medos, sonhos, desejos, esperanças... Aliás, a própria intuição dos dados da percepção já está condicionada pela natureza do sujeito. Maya cobre nossas faces com o Véu. Não sabemos das coisas mesmas, não alcançamos a realidade última de coisa alguma. Por sobre o que intuímos erigimos castelos - frequentemente de areia. Raros os momentos nos quais não estamos submersos no reino de Maya. Os meus prediletos: o Silêncio, a Música, o Orgasmo.

A Ilusão é uma das partes mais fundamentais, básicas e alicerçais do real.

[Alguém aí?]
Eu. Mas eu quem?