sábado, 16 de agosto de 2008

Saindo

To vivendo, fazendo minhas coisas, alinhando meu pensamento com minha vontade, meu amor com meus sentimentos mais verdadeiros, querendo me criticar, crescer, ser minha estrela de arte entendimento e liberdade para todos, e sim, aceitar os outros mais, suas dificuldades, e ajudá-los, pois estamos a repetir lógicas falhas, coisas que não fazem sentido, pois se as pessoas olhassem apara dentro veriam toda a beleza da paz, pois elas podem estar em paz, e controlar seus pensamentos, eu ainda não posso, não tenho essa capacidade ainda., sou um resto de estrela, pó cósmico, e entro de bad trips e delírios comigo mesmo, com ilusão de ser externo interno o mundo, não o é! Sou bem separado dele, posso fazer o que quiser, menos controlar meus pensamentos, minha explosão se tornou deliberadamente contra mim, mas meu instinto não falha, minhas ilusões me pegaram bem nos meu pontos mis frágeis assim como os pesadelos acordado, o sentimento de perda de si mesmo, as teorias, o erro, o mal, o bem, o terror de estar inapto, o truque que leva o mal na raiz, a interpretação negativa que fica batendo a minha porta, a confusão, a negatividade, a brutalidade repreensível........... tantas formas de dizer a mesma coisa.... noia....... de merda.......que merda...... não quis viver essas coisas... e me dizem que deus tem piedade ou que existem anjos protetores.... ou ainda destino e livre arbítrio.........para mim toda dicotomia esta errada desde a raiz... ou melhor não deveria ter saído da raís... aquela paz do 1! Onde está o 1? Eu me pergunto inconscientemente, constantemente...... só quero meu 1! Este mesmo que escrevo....e falo de tantas coisas......cadê eu????? Nós estamos bem aqui... e você, meu amigo, garota...... para quem escrevo... sei que me perdi... agora é recolher os cacos dessa era de horror... tirar o bom... que eu já sou! E voltar a pensar e raciocinar normalmente!

Um comentário:

carlatais disse...

Na nóia apegue-se a imaginação, voe com ela, não a deixa só. Imaginando o mar, as montanhas e a brisa que vai, quem sabe será possível deixar a nóia lá, lá bem fundo do buraco que fica no meio da árvore que guarda segredos? E então, quando mais tarde quiseres saber de teus delírios, é só encostar o ouvido no buraco e ouví-los para depois transformá-los em letras meticulosamente jorradas de teus dedos de ourives. ;-)